quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

15. Caminho Farroupilha - Livros de Bagé

"Gaúcho
puro sangue das coxilhas
alma do homem campeiro
guardião dos pampas"
Manoel Ianzer


B a g é

"Admito que,

a cada chegada e partida da minha terra,

sinto um nó na garganta,

é uma emoção que até hoje

a razão não conseguiu diminuir."

Vera Lucia Garcia Ferreira


15.a - CAMINHO FARROUPILHA


Hospitalidade do gaúcho

num cenário

das tradições do Pampa.

O Caminho Farroupilha foi dividido em dois: A região da Costa Doce e a Fronteira Gaúcha.

A região da Campanha, portal de entrada do Pampa, está localizada na Fronteira Meridional (Aceguá, Bagé, Candiota, Caçapava do Sul, Dom Pedrito, Hulha Negra, Lavras do Sul). Caminho entre Porto Alegre e Montevidéu, a região é conhecida por suas planícies extensas, intimamente ligadas aos principais momentos da vida dos gaúchos. Seus campos, únicos no mundo, já foram palcos de guerras, revoluções e acordos de paz. Por sua posição geográfica, foi alvo de disputas entre portugueses, espanhóis e índios. O Caminho Farroupilha é o roteiro das revoluções, das estâncias e dos monumentos antigos. É comum degustar um bom churrasco, um carreteiro feito na panela de ferro, um bom chimarrão e apreciar as belas paisagens. O rico artesanato campeiro, na lã de ovelha com suas tecelãs e a rusticidade de seus ponchos (beleza e tradição).

.-.-.-.-.-.-.-.-

O PAMPA

A luz, as cores, o gado...

Sentia-me em êxtase,

a vertigem da liberdade do imaginário.

Sonia Alcalde

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

BAGÉ

Foi criado um roteiro turístico "Caminho Farroupilha", que visa explorar o potencial histórico do município de Bagé.

Uma cultura identificada com os valores do campo e da cidade.

Para isso faz parte: a paisagem do pampa, a figura do gaúcho, os costumes farroupilhas, a gastronomia campeira (Fazenda do Sobrado e Chácara das Roseiras) e a arquitetura da cidade (Igreja de São Sebastião, que resistiu o cerco de Bagé; O Palacete Pedrinho Osório - prédio com estilo neoclássico, com mármores, vitrais e ferros, construído no séc.XX; Museu da Gravura Brasileira - um dos mais importantes da área no país, com acervo de mais de 800 obras de artistas brasileiros e estrangeiros; Museu Dom Diogo de Souza - possui a caneta que Médici assinou o livro dos presidentes do Brasil; Instituto de Parmacultura e Vila de Santa Tereza).

É realizada anualmente a semana Farroupilha, que culmina no dia 20 de setembro, data de aniversário da proclamação da República Rio-grandense. Por todas as cidades gaúchas, as festividades do povo e de suas raízes com aquele orgulho de amar uma terra abençoada por Deus.

As grandes fazendas e o pampa.

É isso que dá ao gaúcho a personalidade de campeador.

Acostumado a olhar à distância, esperando um visitante para oferecer o chimarrão. As bombachas, as botas, o poncho, o lenço no pescoço e o chapéu, vestem o homem do campo no seu dia-a-dia. É dele o churrasco temperado apenas com sal grosso, os "causos" contados ao pé do fogo, o mate amargo, a campereada e o fandango.

"Paixão por cavalos,

pelo churrasco de fogo no chão,

pelas danças folclóricas

e pelo chimarrão

são marcas registradas dos gaúchos."

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

Turismo no campo

Camping Modelo

Chácara Santa Rita

Estância Limoeiro

Estância Retiro

Fazenda Hotel São José

Pousada Chácara das roseiras

Pousada do Sobrado

Sítio Querência

Turismo na cidade

Museu D. Diogo de Souza

Igreja São Sebastião de Bagé

Hotéis

Obino Hotel

Bagé City Hotel

Shelton Hotel

.-.-.-.-.-.-.

Bagé terra da gente

Minha cidade

Meu lugar

Minha referência

Cláudio Teran

.-.-.-.-.-.-.-.


15.b - REVOLUÇÃO FARROUPILHA


A SAGA QUE CONSTRUIU O SUL DO BRASIL

te quero tanto

torrão gaúcho

morrer por ti

me dou o luxo

querência amada - Teixeirinha

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

PIRATINI - Primeira Capital

Quase dois meses após o grito de independência, nos campos de Bagé, a implantação da República Rio-grandense vive seu terceiro episódio. Já formalizada, em Jaguarão, através de ata e das primeiras adesões oficiais, resta regularizar o Governo, o que acontece a 06 de novembro de 1836. Reunidos na Vila de Piratini, os revolucionários instalam a República e elegem o primeiro presidente o Coronel Bento Gonçalves da Silva, (ato simbólico), ele estava preso no Rio de Janeiro. Quem assume é Vasconcelos Jardim. Piratini, a pequena vila inscrutata na Serra dos Tapes, é elevada à condição de cidade e, simultaneamente, se torna a capital.

Outras Capitais da República Gaúcha: Caçapava, Alegrete, São Gabriel e Bagé.

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

O GENIAL MINEIRO

Coube, entretanto, a Domingos José de Almeida, acumulando os cargos de Ministro do Interior e da Fazenda, a difícil tarefa de dar forma, fisionomia, conteúdo e essência ao novo Estado que não tinha território definido nem presidente efetivo, não havia Constituição própria nem Parlamento. Também não existia o Tesouro Público nem contribuintes cadastrados. Faltava organização ao Exército, ao Judiciário; faltavam os símbolos nacionais, faltavam os meios de comunicação e de transporte para produtos essenciais. Faltava tudo, simplesmente. Mas Domingos José de Almeida, "o genial mineiro" que se agregou de corpo e alma ao povo do sul, conseguiu, com admirável intuição, dar corpo ao que era etéreo. E apesar das grandes dificuldades militares para os lados do mar, a República Rio-grandense é uma realidade.

"As circunstâncias históricas

e geográficas

forjaram o forte caráter

do povo do Rio Grande do Sul"

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

G U E R R A F A R R O U P I L H A

A Revolução Farroupilha foi a mais longa guerra civil da história brasileira, de 1835 até 1845, foram dez anos de batalhas entre Imperialistas e Republicanos Gaúchos. No início da guerra 1835 D. Pedro II ainda não havia atingido a maioridade, e terminou em 1845, época em que o imperador já estava no trono. Os Imperiais defendiam a manutenção do império e os Farroupilhas lutavam pela proclamação da república brasileira devido o descontentamento de estancieiros e militares da província de São Pedro do Rio Grande com o governo central. O charque, principal produto das fazendas da região, vinha sendo preterido pelo produto importado da Argentina e do Uruguai, mais barato. A elite local defendia uma sobretaxa ao charque que vinha do exterior.

Essa guerra mobilizou mais de 40 mil homens durante os 10 anos de conflitos e muitas cidades como Porto Alegre, Rio Grande, Bagé, Caçapava do Sul, São Gabriel, Alegrete e Piratini, participaram ativamente dessa revolução, que só teve fim depois que os líderes dos farrapos aceitaram os termos apresentados por Lima e Silva. Entre eles estavam a libertação dos escravos que participaram da luta e a sobretaxa de 25% sobre o charque importado.

Durante a guerra, farroupilhas e imperiais se tratavam por alcunhas irônicas. Os revoltosos eram chamados de farrapos, por não terem uniformes especiais para a batalha. Combatiam vestidos em trapos principalmente da metade para o fim da revolta. Por outro lado, aqueles que defendiam o império eram chamados de caramurus.

Principais personagens da revolução:

General Bento Gonçalves: Comandante da Revolução e Presidente da República Rio-grandense, é um líder carismático, com dotes políticos e senso de justiça.

General Netto: Um dos homens de confiança de Bento Gonçalves, é conhecido pela bravura e como estrategista. Comanda uma temida brigada de lanceiros negros. Abolicionista, foi ele que proclamou a República Rio-grandense.

Afonso Corte Real: Um bravo oficial farroupilha.

General David Canabarro: Truculento oficial farroupilha, em 1843 assume o posto do Gal. Bento Gonçalves que deixou o comando da república.

Bento Manoel: Paulista, é traiçoeiro e muda de lado com frequência, ora é leal a Bento Gonçalves, ora aos imperiais.

Domingos José de Almeida: Mineiro, assumiu dois cargos "Ministro do Interior e da Fazenda".

Tito Lívio Zambeccari: Italiano, secretário de Bento Gonçalves, convida Garibaldi a abraçar a causa farroupilha.

Giuseppe Garibaldi: Italiano, junta-se ao exército de Bento Gonçalves com a missão de criar uma ofensiva naval.

Luigi Rosseti: Italiano, mentor intelectual da República Rio-grandense e comanda o Jornal "O Povo".

Anita Garibaldi: Catarinense, mulher extraordinária, sabe manejar armas, é exímia cavaleira e esposa de Giuseppe Garibaldi.

Duque de Caxias: A Revolução Farroupilha só foi contida a partir de 1842, por meio da ação militar de Luís Alves de Lima e Silva, futuro Duque de Caxias, que assume o governo do Rio Grande do Sul. Além da ação militar, Caxias procurou entrar em acordo com os líderes farroupilhas, o que aconteceu em 1845.

A REVOLUÇÃO FARROUPILHA

TEVE INÍCIO E FIM

NOS CAMPOS DE BAGÉ

Início: Foi no município de Bagé que em 10.09.1836 aconteceu a batalha do Seival, nas terras dos Menezes, em que os farrapos derrotaram os imperiais. No dia seguinte foi proclamada a Independência do Rio Grande do Sul, pelo Coronel Antonio de Souza Neto. Com a emancipação de Candiota em 1992 essas terras passaram a pertencer a esse município. A origem da cidade de Candiota vem de alguns gregos originários da ilha de Cândia (Greta), conhecidos como candiotos, fixaram-se às margens do arroio que deu origem ao nome da cidade.

Término: Foi nos campos que na época pertenciam a Bagé, chamado de Ponche Verde que foi realizado o acordo de paz (1845) entre Farroupilhas e os Imperiais. Hoje esse local pertence a cidade de Dom Pedrito que se desmembrou de Bagé em 1872. Atualmente D. Pedrito possui 41.000 habitantes.

Gonçalves

paixão e heroísmo

na vida de uma família

de pioneiros gaúchos

A casa das sete mulheres, obra de Letícia Wierzchowski, foi inspirada a miniséria para a TV Globo: Co-autora Maria Adelaide Amaral ao lado de Walter Negrão e direção de Jayme Monjardim (filho da cantora Maysa), realizaram uma grande obra cinematográfica.

Um resgate histórico

"Paixão, luta, coragem, decisão,

fibra e destino do povo gaúcho".

A metade sul do Rio Grande do Sul

que participou ativamente da revolução farroupilha

em defesa da economia gaúcha,

após o acordo de paz,

foi condenada à pobreza

e ao esquecimento oficial.

(Alegrete, Bagé, Caçapava do Sul, Camaquã, Jaguarão, Piratini, São Gabriel e etc.)


15.c - LIVROS DE BAGÉ

A arte do Grupo de Bagé - história 1975 - Clóvis Pereira Assumpção - nasceu em Bagé.

Bagé Fatos e Persolnalidades - 2006 - Mário Nogueira Lopes - nasceu em Bagé.

Bagé no Caminho da História do RGS - Elizabeth Macedo de Fagundes - nasceu em Pelotas.

Bagé: Novos Relatos de sua história - 2000 - Claudio de Leão Lemieszek - nasceu em P. Alegre.

Bagé: Relatos de sua história - 1997 - Claudio de Leão Lemieszek - nasceu em P. Alegre.

Como encantar mostrando Bagé - Sandro Roberto Garcia - nasceu em Bagé.

Da febre tifóide em Bagé - Maurício Infantini Filho - nasceu em Bagé.

Governos e governantes de Bagé - 1964 - Claudio de Leão Lemieszek - nasceu em P. Alegre.

Guarda - residente em Bagé - 1915 - Ernesto Gentilini.

Histórias e Lendas de Bagé - Orlando Carlos Brasil - nasceu em Bagé.

Homenagem de Bagé no Ano da Independência ao Visconde de Magalhães - 1972 - Arnaldo Faria - nasceu em Bagé.

Inventário Cultural de Bagé - Elizabeth M. de Fagundes - nasceu Pelotas.

No rastro dos gringos; italiano na Bagé oitocentista - Revista Veritas 1992 - Elio Chaves Flores - nasceu em Cacequi.

Notícias da Revolução de 1923 em Bagé - Claudio de Leão Lemieszek - nasceu em Porto Alegre.

O Gaúcho de Bagé: Mito ou Realidade - Maria Helena S. S. Marques Dias - nasceu S.L.do Sul.

Um Anjo em Bagé - 2000 - Padre Fermino H. Dalcin - nasceu em Torino.

Vida em Preto e Branco Bagé - 1982 - Sergio Costa Coleho Leal - nasceu em Porto Alegre.

100 anos da Assoc. Rural e Sindicato de Bagé - 2004 - Elida Hernandes Garcia - nasceu em Bagé e José O. Neto Gonçalves - nasceu em Bagé.


Fontes:

Livro: Escritores Bageenses

Jornal Zero Hora - 1985,

Revista: Coleção QUEM acontece

- Nelson Moreira

- Revista Panorama Rural ag/08

- www.pousadadosobrado.com.br

- www.jornalminuano.com.br

- http://pt.wikipedia.org/

- http://www.pampasonline.com.br/

- www.resenet.com.br/causas_rev.htm

-http://www.pousadadachacaradasroseiras.com/

Um comentário:

Manoel Ianzer disse...

Beatriz Regina Jesus escreveu
Manoel
Que bonito!!! Ainda bem que existe lugares e pessoas que podemos nos orgulhar em um país com total falta de respeito, com tanta corrupção, maldade por todos os lados...em uma sociedade que propaga a mentalidade que ser esperto é tirar vantagem em tudo, ser desleal, zombar e depreciar seu semelhante, sem valores morais, ética, educação e falta de caráter... e que ser honesto, correto, decente, educado e respeitar o próximo - é ser bobo e trouxa...por isso quando encontramos alguém educado, querido e honesto - encontramos algo extraordinário, algo demais e raríssimo hoje em dia...seu e-mail "Vamos homenagear Bagé" me fez lembrar os slides sobre a diferença dos países, que fala mais ou menos isso...
Abraços
Bia - Porto Alegre